terça-feira, junho 26, 2012

Pés descalços


O barulho da chuva...
É o cântico das nuvens...
São as lágrimas dos anjos...
Águas que caem sobre a terra sedenta

Os pés descalços driblavam as enxurradas
e desciam a ladeira para encontrar mais pés descalços
As risadas molhadas saltitavam como pingos de chuva nas folhas da mangueira
As vozes brincavam e se multiplicavam entre os vãos da pedreira milenar,
trazendo as lembranças do meu tempo de criança como uma linha bordadeira que parece encolher na medida em que desenha no tecido da minha memória

Brincávamos de contar cada “chuá”
- criança não tem medo de contar o infinito –
E corríamos rumo às pequenas rochas do terreno gramado
As rochas pareciam corcundas que a terra não conseguiu esconder,
Assim como as costas da senhora Badia que andava encurvada com um rosário na mão
Ela dizia que cada “Ave Maria” tinha o nosso nome porque só os anjos poderiam proteger a perigosa combinação: de pés descalços, dias chuvosos e pedra sabão.

Tinha chinelos... Vários pares até!
Mas com os chinelos não dava para sentir o chão
Gostava daqueles dias chuvosos
Com os pés descalços não havia distinção
Criança era só criança.

A brincadeira encerrava
Com o corpo e com a alma lavada
Voltávamos para a casa, mas a nossa alegria leve e levada
permanecia e caminhava - com os pés descalços - em passeios pela eternidade.


Danielle de Faria.

6 comentários:

  1. Danielle, é lindo o seu poema!

    Parabéns! Beijos!

    @soniasalim

    ResponderExcluir
  2. Gostoso de ler, lindo poema!!
    Beijos
    @elianabess

    ResponderExcluir
  3. Que lindo! É o verdadeiro sabor da infância...
    Beijos!
    @ZezeFontes

    ResponderExcluir
  4. Lindo!!!! fico imaginando um texto assim, num romance com lições de vida e de esperança... ainda vou ver seu livro publicado!!! Parabéns!!! Bjs mil!

    ResponderExcluir
  5. Pra variar MUUUUUUITO BOM! Increvel e inebriante! Obrigado por compartilhar esse momento conosco!

    ResponderExcluir
  6. Solange E.R.Bezerra24 de julho de 2012 03:21

    Ao poeta cabe o ofício de verbalizar as entrelinhas da alma. (Pe. Fábio de Melo)
    Simplesmente lindo o texto.....

    ResponderExcluir