quarta-feira, setembro 05, 2012

Julga-me



Julga sem me conhecer
Conhece-me e julga
Julga pelo o que vê como se interpretasse um texto lendo um parágrafo a esmo
Julga pelo o silêncio que pensa compreender
E não compreende o que realmente é dito
Julga porque quer julgar, sem mais lá ou cá
Julga sem saber que a cadeira do indiciado é ciranda e movimenta sem cessar.
Hoje me olha como réu e esquece que o amanhã é porvir.
Então, o réu poderá ser você e, neste dia, deixarei vazia a cadeira de juiz.
Se minha ausência será juízo ou prejuízo não sei
Do que estou certa é que com ou sem o seu julgamento continuarei sendo eu mesma ao dormir e julgando arrisco-me a ser como a ti.
 
 
Danielle Faria.

2 comentários:

  1. Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
    PS. Se desejar seguir o meu humilde blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

    ResponderExcluir