domingo, dezembro 19, 2010

Pessoa do Singular


"Fui ao encontro de mim. Calma, alegre, plenitude sem fulminação.
Simplesmente, eu sou eu, você é você. É livre, é vasto, vai durar.
Eu não sei muito bem o que vou fazer em seguida mas, por enquanto, olha pra mim, e me ama! Não! Tu olhas pra ti e te amas.
É o que está certo." Clarice Lispector.


Pessoa do singular


Depois que ele se foi, o reflexo não parecia ser o mesmo
Levou parte dela sem pedir licença ou permissão
A imagem que o espelho refletia era tudo,
Mas o todo não a contemplava, então, só restava o nada.

Que sensação estranha a solidão trouxe
Como é possível não reconhecer o próprio o rosto?
O mesmo espelho, o mesmo rosto, a mesma maquiagem, mas o reflexo é o de uma alma opaca e dilacerada.

Procura desesperadamente pelo toque que não pode mais sentir.
Pelos beijos que não estão ali... Tudo tornou-se difuso demais!

Talvez os lábios dela só fossem lábios no encontro com os dele.
Talvez seu corpo só se sentisse vivo pelo olhar que o reconhecia e o admirava.
Talvez os momentos de entrega total, ultrapassaram o limite do momento e se eternizaram.
Uma entrega eterna... Que irracional! Isso não tem devolução, imagine! - “Olá, pode devolver parte da minha alma? Do meu tempo? Dos meus amigos?” E se ele te pedir o mesmo? - Atordoada, ela refletia tal hipótese.
Não há como voltar e ponderar!
O reflexo é esse que se apresenta gostando dele ou não.

Resta o recomeço.
Recolha o que remanesceu: as partes do seu coração, os fragmentos da sua alma e chore sobre o que ficou, lamente pelo que se foi, se assim desejar, mas recomece.
Ao recomeçar aprenda a não entregar sua vida em uma bandeja e não aceite uma bandeja com vida de ninguém. Isso não é amor! É servidão!
Refaça sua imagem, resgatando velhos hábitos e criando novos: volte ao ballet, ligue para seus amigos, faça um happy hour, aprenda a surfar, volte a estudar...
Aprenda a caminhar sem ele por mais doloroso que seja não ouvir o som do par de passos que sempre a acompanhava.
Tente enxergar os detalhes que antes eram invisíveis!
Seu sorriso voltará em um momento de pura distração.

Danielle Faria.
 

3 comentários:

  1. Achei o post BARBARO, intenso, profundo... Deveriamos fazer cotidianamente o resgate "dessa subjetividade esquecida". Mas uma vez você surpreendeu ao excrever de algo tão delicado com tamanha sutileza de palavras.

    ResponderExcluir
  2. Te digo o que achei quando parar de chorar...

    ResponderExcluir
  3. "Tente enxergar os detalhes que antes eram invisíveis!
    Seu sorriso voltará em um momento de pura distração." Isso pra mim diz tudo!

    ResponderExcluir